quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

POEMA...

Como sou uma pessoa, quiçá, romântica e tal e até gosto de contar histórias e tal...hoje vou premiar este espaço com um poema dedicado aos mais catraios (que duvido que cá venham...) e aos jovens adultos que visitam este espaço que também serve para relembrar os tempos de meninos...resumindo, acordei mal disposta e só me apetece postar isto:

A BRANCA PINTELHUDA E OS 7 ANÕES PONTUDOS
Uma vez nasceu
Num reino distante
Uma Princezinha
De Pintelheira Abundante

Tinha a pele tão alva
A voz tão aguda
A cona tão gorda
A Branca Pintelhuda

Mas a má rainha
Ficou furiosa
Quando viu a filha
Assim tão frondosa

"Que grandes Pintelhos,
Nem cabem nas cuecas
Esta moça vai dar
Umas grandes quecas"
"Que vai ser de mim
Sem ter um bom malho"
E dizendo isto,
Engoliu um Caralho

"Ela vai morrer
Ao sair daqui
Não quero ninguém
Com tal pipi"

E dizendo isto
Lançou-lhe um feitiço
Encheu-lhe a boca
Com um grande Chouriço

E eis que a Princezinha
Acordou na mata
Com um anão pontudo
A lamber-lhe a rata

"Mas o que é isto
Ó anão pontudo
Já chegámos à Índia
Meu grande trombudo ?"

"Nós também queremos"
Gritaram os anões
baixando as cuecas
Mostrando os colhões

"Mas que pintelheira
Tem a Princezinha,
Que grande racha
P'ra ficar cheinha"

E assim ficaram
Todos agachados
Uns a ir-lhe à cona
Os outros enrabados
Aviso já que este poema é da bsilvaselma.blogs.sapo

Porque é sempre bom relembrar os contos de fada...ou não. Para a semana a da Cinderella

3 comentários:

ROSINHA disse...

Gosto da rima...

Ventas.. disse...

e como é que acaba a história? ;)

Miss B disse...

não acaba...ela fodeu até á morte. e ainda assim teve sorte ter durado tanto